terça-feira, 26 de abril de 2011

Goof Troop




Introdução

Goof Troop, conhecido como Turma do Pateta aqui no Brasil, é um game de aventura lançado pela Capcom, em 1993 para o Super Nintendo.
O game foi produzido por Shinji Mikami, produtor dos principais games da famosa série de terror Resident Evil. Este game foi o último sucesso de Mikami antes de iniciar a produção de Resident Evil.
Goof Troop é baseado na série de TV de mesmo nome. Assim como na TV, o game é protagonizado por Goofy ( Pateta ) e seu filho Max.
Além da possibilidade de jogar com Goofy ou Max, o game traz  modalidade Solo e a modalidade 2 Players em um modo cooperativo. A modalidade cooperativa merece destaque, pois possui um dos melhores sistemas de interação entre dois jogadores já vista no Super Nintendo.
O game não é muito longo, jogadores experientes conseguem terminá-lo em torno de 1h a 2h. Por ser um bom jogo, a sensação que fica é a de querer mais e não ter.
Infelizmente nenhuma sequência deste game jamais foi lançada, apesar de ser considerado um dos melhores games da época baseados em personagens da Disney.
O game exibe uma gama de quebra-cabeças para serem resolvidos, que forçam um pouco o cerébro do jogador. Jogando sozinho ou com um amigo, a diversão é garantida.
Devido a jogabilidade cativante e divertida, o game era um dos mais populares da época entre os jogadores de Super Nintendo. Este game hoje é lembrado como mais um clássico do Super Nintendo.




Gráficos e Sons

A câmera do jogo é vista por de cima, técnica conhecida como Sky Vision. Mesmo com gráficos medianos, a Sky Vision consegue prorporcionar beleza, dinamismo e diversão na medida certa. Apesar dos gráficos medianos, os cenários foram bem caprichados e desenhados baseados na série de TV de mesmo nome.
Apesar do pequeno tamanho do game e da quantidade de ambientes, os cenários estão simpáticos e sempre coloridos, dando destaque para o contraste do jogo de luzes.
Alguns elementos foram inseridos com a finalidade de dar mais vida aos cenários. Efeitos de ondas, peixes pulando na água são alguns desses elementos que não deixam o cenário estático e monótono.
O design dos personagens também merece destaque, principalmente análisando a face e roupas dos mesmos. Tudo bem desenhado ao estilo Cartoon com texturas na medida certa.
A trilha sonora do game, assim como outros games do Snes, é um show à parte. Músicas de fundo alegres, com um toque de ação, incrementam mais emoção e diversão ao game. Cada fase possui seu tema característico. Geralmente os games da Disney trazem músicas gostosas de escutar.
As músicas de Goof Troop estão entre as mais lembradas pelos jogadores de Super Nintendo nos dias de hoje.
Os efeitos sonoros do game também foram bem trabalhados. Todos os elementos do game possuem sonorização eficiente, exceto o grito dos personagens, que foram substituídos por outros sons bem agudos.
Todos os efeitos sonoros In Game estão perfeitamente sincronizados com as ações dos personagens, a maioria com sonoridade cômica.
Em Goof Troop, ambos os aspectos sonoro e gráfico estão bem trabalhados. Garantiram ao game um ar divertido e suave do início ao fim.






Jogabilidade


Desviando um pouco do estilo comum dos jogos de plataforma que praticamente dominou os jogos da Capcom e Disney nos anos 90, desta vez a Capcom decidiu apostar em um jogo onde se era possível andar livremente pelos cenários, sem depender de ficar pulando em plataformas.
Logo ao começar o game, o jogador tem a possibilidade de escolher com qual personagem jogar: Goofy ou Max.
Goofy consegue derrotar seus inimigos com mais facilidade em relação a Max. Porém Max é mais ligeiro e consegue esquivar e fugir de seus inimigos com facilidade.
Esta técnica de possibilidade de escolher entre 2 personagens deu certo e foi utilizada novamente em Resident Evil e Resident Evil 2 por Shinji Mikami.
Em Goof Troop a jogabilidade baseia-se em enfrentar ou desviar de inimigos, recolher objetos ao longo do caminho, resolver alguns Puzzles básicos e enfrentar um chefe no final de cada fase.
Para poder seguir pelas fases, é necessária a utilização de alguns itens disponibilizados ao longo do caminho.
Ao jogar na modalidade solo, o jogador poderá levar consigo até no máximo 2 itens simultaneamente. Já na modalidade 2 Players cada jogador poderá carregar apenas um único item, aumentando assim a noção de cooperação entre os dois jogadores.
Dos itens encontrados no game, o Hookshot é o mais comum de ser encontrado. Com ele é possível alcançar itens distantes, improvisar pontes de acesso, além de derrotar e afastar alguns inimigos. Sinos que chamam a atenção de inimigos, velas para iluminar caminhos escuros, tábuas para preencher um buraco e liberar um caminho e pás para escavar certos locais, são alguns dos itens que o jogador irá encontrar e utilizar durante a aventura no game.
Outros itens importantes são as chaves. As chaves prateadas são chaves comuns utilizadas para abrir caminhos ao longo da fase. Já a chave dourada é única e serve somente para abrir a porta que dá acesso ao chefe da fase. Na maioria das ocasiões, o jogador só conseguirá chaves resolvendo certos Puzzles.



Os inimigos deste game, em sua maioria, são predominantemente piratas. Ao longo do game, eles vão adquirindo novas roupas, colorações e novas habillidades aumentando gradativamente a dificuldade do game.
Para derrotar os inimigos, o jogador contará com objetos espalhados nos cenários.
Vasos, barris, bombas, pedras, entre outros, podem ser carregados e jogados contra os inimigos. Caso o jogador lance o objeto e erre, ele poderá ficar sem objetos no cenário para derrotar os inimigos remanescentes.
Vale ressaltar que ao carregar algum objeto, a agilidade de Max é reduzida, pelo fato do peso do objeto.
O jogador conta com um determinado número de vidas para terminar o game. Ao longo do game, existem itens espalhados que, quando coletados, garantem ao jogador vidas extras.
A energia vital dos personagens é simbolizada por corações vermelhos em frente ao rosto do personagem na parte superior da tela. A cada 7 corações reunidos, o jogador ganha uma vida extra. A cada ataque recebido, o número de corações volta a 0. Se o jogador for atingido quando não possuir corações, ele perderá uma vida.
Para conseguir corações o jogador deverá coletar cachos de bananas e cerejas espalhadas pelo game. Um cacho de bananas garante ao personagem dois corações extras, já a cereja garante apenas um.
Além do cacho de bananas e das cerejas, existem dois outros itens importantes: os diamantes vermelhos e verdes.
Os diamantes vermelhos garantem ao personagem uma vida extra diretamente. Já o diamante verde garante ao jogador um "Continue". Caso o jogador perca todas as vidas ele poderá contar com o "Continue" para retornar à fase em que parou.
Não existe um meio de salvar o progresso adquirido no game. Desta maneira o jogador conta com a utilização de Passwords. Sempre ao derrotar um chefe e terminar uma fase, uma tela de Password será exibida.
Confira no final desta análise os Passwords de Goof Troop.





Os Puzzles deste game são relativamente simples para aqueles que possuem um raciocínio lógico mediano.
Eles consistem em mover blocos ao longo do cenário de maneira a posicioná-los em locais específicos.
Nada difícil. Caso o jogador não consiga resolver o Puzzle e estes blocos já estiverem em locais que não podem ser removidos, basta o jogador voltar à tela anterior e retornar ao local do Puzzle para tentar resolvê-lo novamente. Os blocos também servem para derrotar os inimigos. Cabe ao jogador decidir como utlizar os blocos a fim de resolver os Puzzles e derrotar alguns inimigos como necessário.
O game é ligeiramente pequeno. Semelhante a Sonic The Hedgehog (Master System), ao iniciar cada fase, um mapa exibe a localização dos personagens na ilha. São apenas 5 fases, porém algumas de tamanho considerável.
O enredo do game é sempre exibido no início ou término de cada fase. Um enredo simples como a maioria dos games de Super Nintendo.
Em Spoonerville, Goofy e Max saem para pescar. Durante a pescaria, eles observam Pete (conhecido como Bafo no Brasil) e seu filho P J (Pete Junior) serem sequestrados por piratas. Estes piratas confundiram Pete com seu antigo capitão que havia sido engolido por uma baleia e acabam levando-o. Goofy e Max vão atrás do navio porém não conseguem alcançá-lo. O jogo começa com Goofy e Max em uma praia procurando por Pete e P J.
Confira abaixo as 5 fases que o game oferece.

  • Beach
  • Village
  • Ghost Castle
  • Cavern
  • Pirate Ship





Conclusão

Goof Troop está entre os games mais populares da Disney na época do Super Nintendo.
Apesar de ser um game curto e relativamente fácil, é um game que vale a pena jogar devido à diversão que ele prorpociona aos jogadores.
Um game interessante  para os apreciadores de jogos de aventura com uma dose de Puzzles. A diversão é garantida, e jogando com um amigo, o game força um senso de cooperação entre os dois jogadores, deixando assim o game mais desafiador.
Um dos poucos jogos do Super Nintendo com uma mecânica de cooperação excelente para dois jogadores.
Assim como Super Mario, Donkey Kong Country e outros, Goof Troop é um dos games mais conhecidos da era Super Nintendo. Hoje é lembrado como um clássico.




.
Nota Final : 8.3






Passwords

  • Village : Cacho de bananas, diamante vermelho, cerejas, cacho de bananas, cerejas.
  • Ghost Castle : Cerejas, diamante vermelho, diamante verde, cerejas, cacho de bananas.
  • Cavern : Diamante vermelho, cerejas, diamante verde, diamante verde, diamante vermelho.
  • Pirate Ship : Cacho de bananas, cerejas, diamante verde, diamante vermelho, cacho de bananas.

 



 Detonado

Confira o detonado de Goof Troop abaixo.

  • Beach


video 
  • Village

video

  • Ghost Castle

video

  • Cavern

video


  • Pirate Ship - Parte 1
video

  • Pirate Ship - Parte 2

video

terça-feira, 19 de abril de 2011

Fatal Frame



Introdução

Fatal Frame, conhecido como Project Zero na Austrália, Europa e Japão, é um game do gênero Survivor Horror lançado para o Playstation 2 em 2001.
Quando Fatal Frame chegou, entrou em silêncio no mundo já povoado do Survivor Horror e acabou dando um grande susto na concorrência.
O game trouxe uma jogabilidade inovadora e criativa, diferentemente de seus rivais Resident Evil e Silent Hill.
O que voltou a atenção para este game em sua época de lançamento foi o fato de a protagonista utilizar uma máquina fotográfica para enfrentar seus inimigos. Inicialmente, apesar da excentricidade, o tema fotográfico agradou e encaixou-se perfeitamente com o enredo do game, que envolve maldições e dramas familiares.
Fatal Frame agrada qualquer amante do terror devido ao seu estilo sombrio japonês. O game abusa do terror psicológico. A todo momento do game é fácil ficar tenso e ansioso, qualquer quebra de silêncio pode simbolizar algo.
Outro detalhe que deu credibilidade a este game foi o fato de ter sido exibido na capa uma informação dizendo que o game foi  baseado em fatos reais e sobrenaturais.
A excelência técnica de Fatal Frame é notória: Ótima qualidade gráfica, trilha sonora de respeito, longevidade considerável e uma jogabilidade que foge da monotonia da maioria dos games ao estilo Survivor Horror.
Totalmente original, este game explora o verdadeiro significado do terror. Poucos games conseguiram essa proeza. Fatal Frame é um game digno de respeito e mostrou o verdadeiro potencial que o Survivor Horror pode oferecer.
A sensação que se tem neste game é a de estar dentro de um filme de terror japonês. É impossível não se assustar. Afinal o game foi produzido com esta finalidade.




Gráficos

Fatal Frame possuia gráficos superiores em relação aos outros games do mesmo gênero lançados até 2001.
Como é clássico nos jogos de terror, a câmera acompanha o personagem enquanto ele se move em cenários completamente em 3D.
Diferentemente da franquia Resident Evil, em Fatal Frame os cenários são totalmente integrados. Não existem intervalos entre eles. Enquanto em Resident Evil a cada porta aberta o jogador precisava esperar alguns segundos para o próximo cenário ser exibido, em Fatal Frame os cenários são interligados. O jogador percorre longas distâncias sem um único intervalo de espera entre eles. Tal técnica de anular o tempo de espera entre os cenários, possibilitada pela tecnologia do Playstation 2, permitiu o dinamismo do jogo e a expansão dos cenários.
O jogador irá se aventurar em vastos ambientes sem se preocupar em esperar para ver o que vem em seguida.
Os ambientes são visivelmente assustadores com um toque oriental. Inúmeros objetos característicos da cultura japonesa resultam em uma grande variedade de cenários e uma verossimilhança impressionante.
De maneira geral, os cenários foram trabalhados principalmente analisando a luminosidade. O jogo de sombras e escuridão é excelente, tornando o clima do game mais realista. A pouca luminosidade do game provém de uma singela lanterna utilizada pela personagem.




Sons

Da mesma maneira que a qualidade gráfica, a sonorização segue o mesmo estilo oriental.
Para manter um clima de suspense, vultos, ruídos e vários outros sons desagradáveis estarão presentes em todo momento.
O susto é algo inevitável neste game. Principalmente quando se é pego de surpresa.
Os efeitos sonoros foram todos projetados para assustar o jogador. Mesmo em situações clichês, o game consegue deixar o jogador tenso.
Durantes longos trechos do game, a ausência de sons acompanhará o jogador, e até esta ausência contribui para dar mais realismo ao game.
Apesar de todas estas características a trilha sonora não é nada memorável ou marcante. Ela apenas se encaixa com perfeição neste game mas não possui destaque algum.




Sinopse

Mafuyu Hinakasi, irmão de Miku Hinakasi (protagonista do game), está desaparecido a 9 dias.
No mês anterior, a mídia divulgou que o novelista Junsei Takamine havia desaparecido durante seu trabalho para construir uma novela. 
Mafuyu movido por seu instinto de jornalista percebeu que havia algo errado. Ele decide investigar e procurar por Junsei por conta própria. Suas descobertas acabam levando-o a uma antiga mansão abandonada. A mansão Himuro.
Diz a lenda que a mansão Himuro pertencia a um rico latifundiário que possuía total controle sobre a área.
Porém nos dias de hoje, o local não passa de uma mansão degradada pelo tempo.
Ao iniciar a busca na mansão, Mafuyu encontra vários registros feitos por Junsei e sua equipe. Estes registros informavam ao leitor informações sobre antigos e estranhos acontecimentos na mansão.
Com a convicção de encontrar Junsei, Mafuyu vai se adentrando cada vez mais na mansão até perceber que não está mais sozinho.
Sem muitas informações, Miku vai a procura de seu irmão e também acaba chegando a entrada da mansão.
O entrar de Miku na mansão Himuro dá início aos eventos de Fatal Frame.

O enredo do game se passa em 4 grandes noites. Confira : 


  • Intro - Himuro
  • 1st Night - Strangling Ritual
  • 2nd Night - Demon Tag
  • 3rd Night - The Calamity
  • Final Night - Kirie




Jogabilidade

Como na maioria dos jogos do mesmo estilo, em Fatal Frame o jogador irá controlar a personagem ao longo de grandes cenários enfrentando ou evitando inimigos e resolvendo Puzzles.
A movimentação da personagem é um pouco lenta e esta lentidão pode incomodar aqueles que gostam de dinamismo.
Para enfrentar os inimigos, o jogador utilizará a Obscura Camera. A Obscura Camera foi desenvolvida para capturar fenômenos sobrenaturais que não podem ser vistos a olho nu. Inicialmente ela foi desenvolvida para fotografar entidades espirituais e eventos passados. Porém ela ainda é um protótipo e possui funções desconhecidas.
Todos os comandos são muitos simples. No canto inferior direito da tela existe um sensor da Obscura Camera. Dependendo da cor adquirida por este sensor o jogador saberá o que fazer em seguida.
Se este sensor ficar azul ele indica que algum local ou objeto pode ser fotografado. 
A cor azul pode também indicar a presença de entidades espirituais que podem ser fotografadas no local.
Isto funciona como uma espécie de desafio, pois é necessário poucos segundos para estes espíritos desaparecerem. No inventário existe uma lista de todos os espíritos fotografados pelo jogador. Nesta lista todos os nomes ficam como incógnitas, e após serem fotografados, uma breve descrição sobre o espírito fotografado é exibida.
No total são 108 para serem fotografados. Uma tarefa árdua. Poucos jogadores são capazes de fotografar todos eles na primeira vez que se joga, pois é impossível prever onde e quando eles vão aparecer e, na maioria dos casos, o jogador tem pouquíssimos segundos para se posicionar e bater a foto.







Por outro lado, se o sensor adquirir a cor vermelha, ele indica que algum espírito hostil está por perto e irá atacar. Sempre que o jogador for atacado por algum inimigo e perder energia vital, ele pode contar com itens de cura como Herbal Medicines, Sacred Waters e Stone Mirror. Este último serve como um revival (revive a personagem caso a energia vital se esgote).
Para derrotar os inimigos, o jogador deverá utilizar a função de exorcismo da Obscura Camera. Para derrotá-los basta fotografá-los. 
O jogador pode causar mais dano aos inimigos dependendo da distância, do ângulo e do enquadramento da fotografia.
Como é comum em máquinas fotográficas antigas, o jogador precisará de filmes para bater as fotos. Em Fatal Frame existem 4 tipos de filmes que podem ser utilizados pelo jogador: o Tipo 14, o Tipo 37, o Tipo 74 e o Tipo 90. Quanto maior o fator do filme, maior será o dano que ele causará no inimigo.
Sempre ao fotografar, o jogador receberá pontos de acordo com a foto batida.
Com os pontos adquiridos, o jogador poderá evoluir algumas funções básica da Obscura Camera como alcance da foto, velocidade entre fotografias e novos poderes místicos para a Camera.
Os poderes místicos abilitam para a Obscura Camera a utilização de novas funções, as Bonus Functions.
Para a utilização das Bonus Functions, o jogador precisará de itens especiais conhecidos como Spirits Stones.
As Spirits Stones são itens especiais que são coletados ao longo do game normalmente. Com elas o jogador poderá liberar as Bonus Functions abaixo :



  • Pressure : Afasta os inimigos da personagem.
  • Slow : Diminui a movimentação dos inimigos por 10 segundos
  • See : Faz com que todos os inimigos fiquem visíveis por 10 segundos.
  • Paralyze : Paralisa o espírito por 3 segundos.
  • Search : Automaticamente foca o espírito no ângulo da Obscura Camera



Além das Bonus Functions, existem as Special Functions, que são funções especiais liberadas após o término do game. (Confira no final desta análise todos os extras de Fatal Frame.)
De maneira geral a jogabilidade é fácil e simples, porém diferente da maioria dos outros games do gênero Survivor Horror. Apesar da maioria dos Puzzles neste game envolverem lógicas matemáticas, as soluções de alguns Puzzles específicos podem parecer complicadas por envolver elementos da cultura japonesa, por exemplo a escrita. Recomenda-se ler todos os Files (arquivos, memos, lembretes etc), pois eles contêm explicitamente ou implicitamente a solução ou o princípio básico de resolução de cada Puzzle.





Conclusão

Com certeza um dos melhores games do gênero Survivor Horror existentes no universo dos videogames.
Fatal Frame foi inovador e explorou o clima de terror e suspense de forma única e estupenda. Foi bem recebido pelo público e pela crítica, garantindo ao game, futuramente, outras sequências de respeito. 
Um jogo perfeito para os jogadores que buscam sentir medo ao jogar. É impossível não se assustar com este game, mesmo que o jogador esteja preparado, é algo inevitável.
Além de possuir esta atmosfera sombria, o game ainda proporciona desafio de sobra. Além do desafio de fotografar todos os espíritos, o game conta com um vasto contéudo extra, incluindo um final alternativo, tornando o game mais durável.
Fatal Frame é uma das melhores experiências para os amantes de games do gênero Survivor Horror que estão entediados com a mesmisse da maioria dos games do gênero. Com certeza este game vai surpreender quem o jogar.


Nota Final : 9



Extras 

O game conta com um vasto conteúdo extra, deixando assim o game mais longo para os que gostam de terminar o game por completo. Confira abaixo o que fazer para destravar todo este conteúdo.


  • Final Alternativo
Para conferir o verdadeiro final, termine o game na dificuldade Nightmare. É necessário começar o jogo desde o começo. O jogador não deve utilizar a opção Chapter Select para começar o jogo. 

  • Roupa Alternativa
Termine o game uma vez.
                            
  • Battle Mode
Termine o game uma vez.

  • Sound Test
Termine o game uma vez.

  • Funções especiais para a Obscura Camera
Termine o game uma vez. 

  • Ghost List
Termine o game uma vez.

  • Nightmare Mode
Termine o Battle Mode uma vez.

  • Chapter Selection
Termine o game no modo Nightmare

  • Função Zoom para a Obscura Camera
Termine o game na dificuldade Normal.

  • Função Sense para a Obscura Camera
Complete o Battle Mode.

  • Função Zero para a Obscura Camera
Termine o game uma vez para liberar a Ghost List. Após isto, fotografe todos os 108 espíritos e complete a lista.

  • Função Chase para a Obscura Camera
Complete cada missão do Battle mode com Ranking S

  • Função None para a Obscura Camera
Termine o game no modo Nightmare em menos de 4 horas.

  • Roupa Especial 2 
Complete o game no modo Nightmare.

  • Roupa Especial 3
Complete o modo Nightmare em menos de 4 horas.



 

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Dino Crisis



Introdução

Dino Crisis é um game do gênero Survivor Horror lançado pela Capcom, em 1999, para o Playstation.
Após o estrondoso sucesso da franquia Resident Evil, a Capcom decidiu investir em uma nova franquia que seguisse o mesmo modelo de Resident Evil. Porém desta vez com um foco diferente: exploração em uma ilha povoada por alguns dinossauros dentro de um enorme complexo de pesquisa.
Dino Crisis é uma nova excursão para o mundo do Survivor Horror. O enredo do game pode ser comparado a Jurassic Park e este pode ser considerado um dos fatores responsáveis pelo sucesso da franquia.
Todos aqueles que já jogaram os primeiros games da franquia Resident Evil estarão familiarizados com este game. Ele oferece a mesma perspectiva de câmera, mesmo modelo de jogabilidade e o mesmo clima de terror que, em alguns momentos, pode chegar a dar arrepios.
Por ser lançado após Resident Evil, técnicamente Dino Crisis é um game mais elaborado em questão de enredo e inovações. Porém ser lançado depois trouxe a este game a grande responsabilidade de ser tão bom quanto Resident Evil.
Dino Crisis consegue inserir o jogador em um universo de dinossauros da mesma maneira que Donkey Kong consegue inserir o jogador em um universo de macacos. É fantástico.
Apesar de ser um game excelente, por alguma razão Dino Crisis nunca chegou às luzes da fama. É um game conhecido, mas não famoso.
Esta nova franquia da Capcom garante ao jogador muitas horas de jogo, principalmente tratando-se de resolver enigmas, onde o jogador terá de pensar muito e ter muita maldade para seguir em frente e sobreviver. Talvez este fator tenha sido o responsável por afastar grande parcela de jogadores mais despreparados. Mas quem sai perdendo são eles.






Gráficos e Sons

Totalmente semelhante a Resident Evil, Dino Crisis utiliza as mesma técnicas gráficas, principalmente o uso de personagens em 3D movimentando-se em gráficos pré-renderizados. Os ângulos de câmera são pré-estabelecidos, permitindo apenas que o cenário seja visto de um único ângulo.Quando o personagem chega ao limite de uma tela, outra tela seguinte aparece. Tal técnica aumenta a tensão do game e da ao mesmo um clima de terror e suspense para descobrir o que encontrar no próximo cenário. Está técnica foi iniciada por Resident Evil em 1996 e foi bem utilizada em outros jogos do gênero Survivor Horror.
A qualidade gráfica dos ambientes e cenários está agradável de acordo com a capacidade do Playstation. O Design dos personagens também surpreendem. Apesar de possuirem formas poligonais simples, eles possuem um visual sólido e imponente, porém fora das cenas em CG (Cenas em computação gráfica) os personagens não mechem a boca ao dialogar e isto pode parecer um incômodo.
O game conta com raríssimas cenas em CG , apenas na abertura e encerramento o jogador irá assistir a estas cenas.
A trilha sonora deste game é novamente semelhante a Resident Evil. Uma trilha excelente porém nada marcante. Ela representa todo o momento de suspense e terror, deixando o clima do jogo perfeito. Mesclando a sonorização característica com a ambientação, temos um clima de suspense excelente.
Apesar dos personagens não mecherem a boca ao dialogar, as dublagens estão perfeitamentes audíveis e de fácil entendimento.
Os efeitos sonoros estão ótimos. Passos, rastejos e sons característicos de dinossauros são os mais comuns, e dependendo do momento podem assustar o jogador. Há ausência de sons em grande parte do jogo, deixando assim o clima mais realista. O jogador deve estar sempre preparado, pois, eventualmente, este silêncio é rompido abruptamente de modo a assustar quem estiver jogando.




Sinopse

O enredo do game gira em torno da equipe de resgate S.O.R.T. Esta equipe deve investigar a misteriosa ilha Ibis. 
Edward Kirk, um famoso cientista em pesquisas médicas aparentemente morreu há alguns anos. Porém, foi descoberto pelo governo americano que ele está vivo, dando continuidade a seu trabalho na misteriosa ilha: Ibis. O governo envia a S.O.R.T para trazer Kirk devolta a seu país de origem.
Isolado na ilha, Kirk densenvolveu uma nova espécie de energia limpa: a Third Energy. Os agentes da equipe chegam à ilha e descobrem que todos os humanos estavam mortos. Ao iniciar a exploração da ilha, os agentes são atacados por dinossauros de várias espécies. Após a luta pela sobrevivência, os remanescentes encontram Kirk e descobrem que a Third Energy é capaz de transportar objetos e seres. Dependendo da quantidade de energia utilizada, é possível viajar no tempo. Esta é a razão pela aparição dos dinossauros.
Sem entender os princípios desta nova tecnologia, os agentes lutam pela sobrevivência em uma ilha habitada por dinossauros. Em meio ao perigo, intrigas e desconfianças, o jogador controla Regina, uma das agentes da S.O.R.T, dando início à trama de Dino Crisis.





Jogabilidade

Seguindo o mesmo padrão de jogabilidade de Resident Evil e Resident Evil 2, Dino Crisis consiste em andar ou correr, resolvendo Puzzles e enfrentando ou evitando inimigos quando necessário. Jogabilidade tipicamente simples, porém na ausência de preparo o jogador não irá conseguir avançar no game.
O jogador controla a agente Regina e deve sobreviver em um enorme complexo de pesquisa e, para avançar, será necessário resolver alguns Puzzles e enigmas bem complexos. Este game requer muita atenção e maldade para a resolução de Puzzles. Eles estão presentes a quase todo momento, e é preciso ter muito raciocínio lógico. 
Os Puzzles são muitos e a maioria deles envolvem Passwords que são utilizados com os itens especiais DDKS em portas especiais. Estas portas eletrônicas só serão abertas com as DDKS e após inserir o Password correto. Ao utilizar as DDKS nas portas, aparecerão duas linhas com várias sequências de letras misturadas. Basta anotar e separar as letras que existem na primeira linha e não repetem na segunda e a palavra resultante será o Password. Este é o princípio básico das portas que são abertas com as  DDKS.
Muitos jogadores enfrentam dificuldades, pois não entendem como se origina o Password, mas este princípio é básico e até muito simples.
Ao longo do game, o jogador irá encontrar Files (arquivos, documentos, memos etc..). Muitos destes Files contêm informações óbvias ou implícitas sobre como solucionar um Puzzle, portanto o jogador deve sempre ler o conteúdo destes Files para ter uma base lógica. Por outro lado, existem Puzzles que não possuem um modo correto de se resolver, pois mudam de resolução a cada ação do jogador. Neste caso, o game avança de acordo com o ritmo de inteligência de cada jogador.






Ao longo do grande complexo de pesquisa, o jogador encontrará caixas de emergências embutidas em algumas paredes. Estas caixas contêm itens armazenados que podem ser retirados pelo jogador. Existem 3 tipos dessas caixas: verdes, vermelhas e amarelas. As verdes contêm apenas medicamentos, as vermelhas contêm apenas munição e as amarelas contêm medicamentos e munição. 
O jogador deve utilizar sabiamente os itens encontrados no game. Os inimigos são predominantemente dinossauros de várias espécies e a inteligencia artificial deles está relativamente alta. Realmente os inimigos se comportam como dinossauros e, se um deles encontrar você, ele não vai parar de atacar até que o jogador ou ele esteja morto. Logo, deve-se poupar itens e evitar o uso sem necessidade, pois além de inimigos inteligentes, os itens são escassos.
No inventário existe o comando "Mix" (Misturar). Este comando permite o jogador misturar os itens entre si, gerando novos itens de efeitos superiores. O uso deste comando varia com a necessidade de cada um.
O sistema de savepoints é peculiar. Não existe um local correto para salvar o game. Existem locais especiais ao longo do game. Ao sair destes locais, o jogo perguntará ao jogador se ele deseja salvar. Este sistema é falho, pois sempre que existir uma urgência em salvar, o jogador precisará estar nestes locais específicos. 
Novamente, semelhante a Resident Evil, Dino Crisis conta com finais diferentes além de conteúdo extras.
A idéia de adicionar novos contéudos após o término do jogo incentiva o jogador a terminar o game mais de uma vez, deixando o game melhor e mais durável. Confira no final desta análise o conteúdo extra de Dino Crisis. 





Conclusão

Outro excelente game do gênero Survivor Horror. Quem conhece e já jogou Resident Evil não pode deixar de jogar este game. Com um olhar de um ângulo diferente do Survivor Horror, Dino Crisis insere o jogador em um verdadeiro universo de dinossauros semelhante a Jurassic Park.
Infelizmente, Dino Crisis não é um game famoso como Resident Evil. A campanha de marketing não foi bem desenvolvida. Poucos jogadores conhecem esta franquia, e menos ainda jogam e conseguem chegar ao final deste game com facilidade. Dino Crisis é um complexo game que exige uma certa capacidade mental dos jogadores que desejam finalizar este Survivor Horror.
O game conta com alguns conteúdos extras, forçando os mais interessados jogar o game mais de uma vez.
Um game obrigatório para a lista de quem curte games inteligentes ao estilo Survivor Horror.


 
Nota Final : 9 





Extras 

  • Operação Wipe Out
Para liberar o mini game Wipe Out termine o game em menos de 5 horas de jogo.

  • Roupas Alternativas
Termine o game duas vezes em menos de 7 horas.

  • Munição Infinita
Termine o game no mínimo 3 vezes realizando todos os finais possíveis.

  • Shotgun
Termine o game uma vez.




Finais


Ao decorrer do game, em determinadas situações, Regina terá que tomar algumas decisões que influenciarão no futuro do game. Ela contará com ajuda de seus parceiros Rick e Gail. Em certos momentos do game, eles oferecem ajuda a ela, deixando-a decidir de quem aceitará a ajuda. Estas decisões definem 3 finais diferentes para o game.
O fator que define a diferença entre os finais são os personagens da trama do game que sobrevivem até o fim do game. Confira abaixo o que é necessário para realizar cada final.


Final I: Regina, Rick e Edward Kirk devem sobreviver
Final II: Regina, Rick e Gail devem sobreviver.
Final III: Regina, Rick, Gail e Edward Kirk devem sobreviver.